Mês: Janeiro 2015

Resenha – De Repente Ana

Por Dalila Correia
|
24 de Janeiro

Título: De Repente Ana
Autor(a): Marina Carvalho
Editora: 
Novo Conceito – Novas Páginas
Ano: 2014
Páginas: 320
Nota no Skoob: 4,8/5
Gênero: Romance



“Dessa vez, pousar em Perla implicava outras coisas. Eu seria obrigada a lidar com uma realidade mil vezes mais assustadora do que as incertezas de ser ou não bem recebida nas terras de meu pai”.

Resenha:


    E assim como no primeiro livro, a vida de Ana vira de ponta cabeça.
 
   Ana e Alex estão curtindo férias no Brasil, e o namoro continua muito bem, quando Ana tem um sonho muito ruim o qual seu pai morre. Então ela liga imediatamente para saber se ele estava bem. Porém, um tempo depois, ela recebe um telefonema dizendo que seu pai havia sofrido um acidente de avião e se encontra em estado gravíssimo.
 
    Com seu pai hospitalizado e sem previsão de melhoras, Krósvia precisa de um representante temporário (ou definitivo): Ana. A responsabilidade cai nas costas dela, que recebe meio a contra gosto, assim como outras pessoas. Um rapaz jovem e bonito (e que a irrita constantemente), que trabalhara com seu pai, é designado como seu assistente pessoal,o que deixa Alex morrendo de ciúmes.
 
    Com vários compromissos formais, ela tem que adequar seu guarda-roupa para sua nova posição. Mas o que ela não esperava receber, eram todas as críticas feitas a ela nas mídias sociais cada vez que vai a um evento, além do distanciamento inevitável de Alex por conta da agenda cheia, e também e-mails anônimos falando para que deixe o cargo. Porém, ela os ignora e tenta dar o seu melhor para o bem da Krósvia e de seu pai, o qual ela tem certeza que se recuperará.
 
    Em um jantar providenciado na casa de sua tia (e que ela não queria ter ido), acontece algo totalmente inusitado, mas que só serviu para que Ana confirmasse suas suspeitas…
 
     Porém, quando Ana é sequestrada, a verdadeira face das pessoas se revela, e ela novamente se mostra muito mais esperta do que imaginam.

                                                       -x-
 
    No segundo livro da trilogia, Marina Carvalho consegue manter e atrair ainda mais seus leitores, a começar pelo prólogo (Meu Deus…e que prólogo). Novamente com sua narrativa concisa e objetiva, “De repente Ana” se mostra com um toque de ação em meio a todo o romance. E é nesta fase que está o ápice da história.

   O livro também tem partes narradas por Alex, e é muito interessante ver a história pela visão dele. Eu particularmente adoro livros assim, pelo fato de termos uma visão mais abrangente e conseguirmos discernir melhor os fatos.

    O que acho mais legal desta trilogia, é que cada livro tem um final. Claro que tem toooda uma atmosfera por trás que vai se adequando. Mas isso acontece, pelo fato da Marina inicialmente não ter escrito “Simplesmente Ana” com o intuito de ter continuação. Portanto, não é um livro cansativo!!!
 
   Após um final emocionante, esperamos que o terceiro também supere nossas expectativas. E já adianto…será lançado este ano e seu nome será Elena, a filha da princesa.

Resenha – Enquanto a Chuva Caía

Por Thila Barto
|
22 de Janeiro

Título: Enquanto a Chuva Caía

Autor(a): Christine M.
Editora: Novo Conceito – Novas Páginas.
Ano: 2014
Páginas: 288
Nota no Skoob: 4,3/5,0

Gênero: Romance, Ficção.


“Talvez ser feliz seja somente confiar que a tristeza não será eterna…”

Resenha:

     E assim, mais uma vez, um livro nacional me deixa boquiaberta. Christine M., autora dos livros Sob A Luz Dos Seus Olhos”, Meus Melhores Rascunhos” e O Que Não Diz A Lenda”, traz uma leitura empolgante e maravilhosa nesse livro narrado a partir de dois personagens completamente destintos entre si. O que Erik e Marina tem em comum? Somente uma enorme “nuvem sombria” repleta de segredos que ambos carregam em suas vidas.


     Tudo começa em Porto Alegre, onde somos apresentados ao personagem Erik Gouveia, um advogado brasileiro que vive uma vida dupla cumprindo serviços extraoficiais para a polícia, agindo diversas vezes de forma violenta para extrair o que precisa. É aquele tipo de profissão que não aparece na folha de pagamento.

 
“Eu lido com o pior, e lido com os dois lados. Trabalho para a polícia, mas não sou policial. Sou eu quem limpa a sujeira que já estava embaixo do tapete e sou eu quem, não raramente, aumenta esse lixo também.”
    Devido aos seus últimos serviços prestados, Erik acabou se encrencando, colocando tanto a sua vida como a da sua irmã, Clarice, em risco. Assim, seguindo ordens, ele parte para os Estados Unidos com o cargo de advogado em uma renomada empresa. Foi nesse momento que surgiu uma pergunta na minha cabeça: Ué o cara que eu pensei ser o mocinho da história é na verdade o vilão?! Eis a questão. 
 
     Logo após, somos levados a Nova York, onde conhecemos Marina Muller, uma jovem de 26 anos e viúva. Seu grande amor, Adam, morreu a cerca de dois anos atrás prestando serviços ao seu país na guerra, deixando-a despedaçada. Após sua morte, Marina cria o hábito de visitá-lo todos os dias no Green Wood, tentando se convencer constantemente que será a ultima vez. Entretanto, no dia seguinte,Marina sempre se vê cruzando o Rio Hudson a caminho do cemitério, fingindo acreditar que isso é absolutamente normal.
 
” É com o mesmo espírito impensado que cruzo aqueles gigantescos portões e me sento sob a mesma árvore, olho em volta e converso com eles todos os dias. É aqui que eu estou quando deveria estar em casa”
    Como se não bastasse, seu pai desenvolve Alzheimer e se torna incapaz de comandar a H&L Associados, cabendo a Marina tomar às rédeas como herdeira da mais respeitada empresa de auditoria do hemisfério norte. Os funcionários acreditam que ela irá falir a empresa em três meses, porém, para a surpresa de todos, Marina além de cumprir perfeitamente o seu cargo de CEO, consegue aumentar o faturamento, diversificar os negócios e realizar mais contratações do que nos últimos dois anos.
 

 

    Para amenizar a maré ruim, Marina conta sempre com o seu melhor amigo desde os seus 10 anos, James. Um cara bonito, atlético, gentil, loiro, rico e ar de príncipe, mas muita calma nessa hora, ele não saiu de um conto de fadas pois a palavras “casar” e “exclusividade” não existem em seu vocabulário, ele quer todas as mulheres de uma vez só. Além de James, Marina tem a chuva ao seu lado, por mais estranho que isso pareça.

 

“As coisas mais importantes da minha vida sempre aconteceram com o céu cinza, trovejando, com meu cabelo pingando e a roupa molhada, colando no meu corpo. Estranhamente a chuva é minha amiga e se tornou sinônimo de bom presságio”

 

    Até que em um certo dia, a vida de Marina muda da água pro vinho no caminho para o Green Wood. O pneu de seu carro estoura, porém como a vida não é um filme onde aparece um “herói” para ajudá-la, Marina sem saída, entra num bar e pede ajuda chegando a oferecer até 50 dólares para quem ajudá-la.E para a alegria do leitor, estava chovendo e quem a ajuda é nada mais e nada menos que Erik Gouveia. É nesse momento que Marina descobre que Erik começou a trabalhar recentemente na sua empresa e suas vidas são entrelaçadas. 

 

   
    A partir disso é literalmente impossível parar de ler. Os personagens conversam com o leitor e as citações no início de cada capítulo são muito bem selecionadas. Confesso que li várias no ritmo da música e as procurei para escutar enquanto lia. A leitura é incrivelmente adorável. É como ficar naquele famoso discurso do “só mais um capítulo” por horas, pois muitas coisas vão surgindo através dos segredos que os dois personagens carregam, deixando qualquer um curioso em como toda a trama e os problemas, que não param de surgir, irão se resolver.  
    O que me resta dizer?! Um enorme obrigada a Chris, por receber a equipe com muito carinho na bienal. Aproveitei cada gota dessa história e estarei esperando a próxima chuva.
Ps: Norah Jones, Chris?!? Ganhou muitos pontos comigo, rsrs.
 
Recomendadíssimo. 

 

Resenha – Antes de Dormir: Filme

Por Thila Barto
|

Título: Antes de Dormir

Título Original: Before I Go to Sleep
Lançamento: 22 de Janeiro de 2015, no Brasil
Direção: Rowan Joffe
Nota no Filmow: 3,2/5,0
Nota no IMDB:  6,2/10,0

Elenco: Colin Firth , Mark Strong , Nicole Kidman
Duração: 92 minutos
Gênero: Suspense, Drama.


Sinopse: Todas as manhãs, Christine (Kidman) acorda sem saber onde está. Suas memórias desaparecem todas as vezes que ela dorme. Seu marido, Ben, é um estranho. Todos os dias ele tem de recontar a vida deles e o misterioso acidente que fez com que Christine tivesse amnésia. Encorajada por um médico, ela começa a escrever um diário para ajudá-la a reconstruir suas memórias, mas ela acaba descobrindo que a única pessoa em quem confia, talvez esteja contando apenas parte da história.
 
Resenha:

 

Recentemente, publiquei aqui no blog uma resenha sobre uma das minhas melhores leituras de 2014, o livro “Antes de Dormir” do autor S. J. Watson. (conferir aqui). Ele entrou com toda a certeza para a minha lista de favoritos por conter uma grande quantidade de detalhes durante a narrativa que são intrínsecos com os personagens que formam num todo, uma história genial que te intriga do começo ao fim, deixando o leitor confuso sobre quem e no que confiar juntamente com a protagonista. É muito difícil não entrar de cabeça na história com a curiosidade de saber a verdade.
Então era de se esperar que eu estaria mega ansiosa para conferir essa adaptação. E o que eu tenho a dizer?! Que estou super decepcionada!!
É inevitável que qualquer leitor compare um livro, principalmente os favoritos, com a adaptação do cinema. Nós temos a consciência que é impossível trazer literalmente tudo para as telonas, no entanto, o que fizeram com essa adaptação foi lamentável. Já peço desculpas antecipadamente pois terei que dar alguns spoilers para enfatizar a minha opinião.
Confesso que fiquei entediada no começo, e de maneira geral o filme foi muito corrido. Se ele tivesse meia hora a mais acredito que melhoraria, pois, o filme pecou muito ao tentar mostrar a evolução de Chris (Nicole Kidman) combatendo a sua amnésia. A personagem acorda todos os dias sem saber se quer que era casada, com poucas lembranças do seu passado, porém com o tempo, isso vai mudando e Chris vai evoluindo aos poucos com a ajuda do Dr Nash (Mark Strong) e seu diário. Tem dias que ela nem precisa que Nash a avise onde ela escondeu o diário. A protagonista começa a descobrir as contradições com as coisas que o seu marido Ben (Colin Firth) conta, com os relatos do seu diário e as lembranças que vão surgindo em sua mente. É assim que os mistérios vão sendo revelados no livro, mas, cadê tudo isso no filme?! Foram relatadas evoluções mínimas, literalmente mínimas, parece que Chris não evoluiu quase nada, deixando tudo muito monótono por falta de informação, óbvio e de certa forma confuso pois tudo acontece muito rápido.
Coisas importantes foram esquecidas, como o livro que a Chris escreveu, o filho da melhor amiga, a antiga casa, como as lembranças foram surgindo, o fato do doutor Nash ser bem mais novo e comprometido, ao contrário do filme que dá a entender que ele quer um relacionamento com a Chris.
A única mudança positiva feita, foi o fato da protagonista possuir uma câmera ao invés de um diário como relatado no livro, e isso se tornou algo bom pois é muito mais interessante assistir a protagonista vendo suas próprias gravações do que lendo ou escrevendo um diário durante as cenas. Num todo, as mudanças e a ausência de muitas coisas importantes me incomodaram muito. O filme só começa a ficar bom nas cenas finais, mas logo peca novamente com as mudanças.
Acredito que quem não leu o livro poderá gostar, pois como sempre, Nicole Kidman está ótima.Entretanto, assim como em “Grace of Mônaco”, o filme em si não favorece muito a atriz ou o resto do excelente elenco. Queria dizer que estou ansiosa para revê-lo no cinema, mas perdi a enorme vontade que tinha antes. Prefiro reler o livro 😉

 

Trailer:

Resenha – The Librarians

Por Santoni
|
9 de Janeiro

 

  The Librarians é a aposta do canal a cabo TNT, a série é baseada na trilogia “O Guardião (The Librarian)” e serve como uma continuação semanal dos filmes. A série estreou quebrando o recorde de maior estréia do ano em um canal pago com o total de 5,4 milhões de pessoas.


  A história é de uma livraria “onipotente” escondida em baixo Biblioteca Metropolitana de New York que abriga vários artefatos mágicos e livros escondidos que não podem cair em mãos erradas, como por exemplo na de Dulaque, o líder da Irmandade da Serpente, que deseja restaurar a magia e usá-la para controlar e dominar o mundo. O Librarian original Flynn Carsen (Noah Wyle) em uma de suas missões conhece Eve Baird (Rebecca Romijn), uma agente federal que combate o terrorismo, o que leva a “Livraria” a escolhê-la como guardiã dele. Eles juntos descobrem que a Irmandade está matando candidatos a “Librarian” que são gênios selecionados pela “Livraria” que seriam perfeitos para o posto de Librarian” se o atual morresse. A maioria deles já foram assassinados a não ser os três primeiros da lista: Jacob Stone (Christian Kane), Cassandra Cillian (Lindy Booth) e Ezekiel Jones (John Kim). E juntos trabalharão para manter a magia longe das mãos erradas.
   The Librarians segue a linha da série britânica Merlin, Charmed, Eastwick (também protagonizada por Romijn) e outras séries de magia. O grande destaque da série é a magnitude da produção. Os efeitos especiais seguem os de outras séries de magia, muitas vezes “trash” mas quem vê série de magia já está acostumado. A atuação de Kane foi o destaque entre os outros atores que por muitas vezes deram uma performance mediana a seus personagens, inclusive Rebecca. A decepção foi que a série tem uma puxada cômica um pouco forçada demais, o tema da série, o ‘plot’, é muito interessante para ser trabalhada de maneira ‘desinteressada’ e não muito ‘séria’.

  The Librarians vai ao ar na TNT americana aos domingos e no Brasil vai ao ar no canal pago Universal Channel às segundas-feiras.

 
Trailer:
Para ver o trailer legendado no site da universal clique aqui