Hangout com Cassandra Clare e Holly Black!

Por Beatriz Guerra
|
15 de setembro
CASSANDRA CLARE!!!!!!
(Só pra chamar a atenção de vocês porque quem foi na última BieHell (ops, Bienal) em São Paulo sabe muito bem que “Cassandra Clare” foi um dos nomes mais falados no evento).

Qual seria o melhor jeito de sanar todas as suas dúvidas sobre o primeiro livro da série “Magisterium” escrito pelas autoras Cassandra Clare e Holly Black, do que perguntando diretamente a elas?

Pois é! Para você que é um grande fã dessas queridas autoras e não vê a hora de ler esse novo livro que será lançado pela editora Novo Conceito dia 01/10, não pode deixar de perder o Hangout que ocorrerá com ambas no Shopping Bourbon aqui em São Paulo no próximo sábado dia 20/09, às 14h lá na Livraria Cultura!
 
Pra quem não conhece como funciona um Hangout, explicamos: de um jeito bem leigo de falar, vai ser como uma conferência de Skype. Elas poderão falar conosco de qualquer lugar que estejam. E além disso, esse evento será gravado e transmitindo para que qualquer um possa assistir de qualquer lugar do mundo pelo link http://goo.gl/nKPlfH.
 
Você poderá vê-las em tempo real, conversar com elas, tirar todas as suas dúvidas e amá-las um pouquinho mais.
 
Então, prepare suas perguntas, fique pronto pra câmera e confirme presença!
Para fazer parte do evento do facebook Clique Aqui!

Nos vemos lá ;D

Resenha – Maze Runner – Correr ou Morrer

por Santoni
|
14 de setembro
Título: Maze Runner: Correr ou Morrer Título Original: The Maze Runner Duração: 113 min. Diretor(a): Wes Ball Ano: 2014 Nota no Filmow: 3,8/5 Nota no IMDB: 8/10 Gênero: Ação, mistério, ficção-científica. Resenha: É complicado começar um review sobre uma adaptação. Ainda mais se você

Resenha – Plants vs. Zombies: Garden Warfare

Por Marcos Stankevicius
|
12 de setembro
Título: Plants vs. Zombies: Garden Warfare. Desenvolvedor: PopCap Games e Electronic Arts. Ano: 2014. Jogabilidade: Cooperativo (4 jogadores), Multiplayer Gênero: Tiro, Estratégia, Defesa de torre Plataformas: Xbox 360, Xbox One, Microsoft Windows, PlayStation 3, PlayStation 4 Resenha:  

Resenha – Um Herói para Ela

Por Thila Barto
|
9 de setembro
Título: Um Herói Para Ela
Autor(a): Lu Piras
Editora: Novo Conceito
Ano: 2014
Páginas: 336
Nota no Skoob: 4.0
Gênero: Romance, Ficção.
“Que sapo acreditaria que poderia se transformar em príncipe?”

Resenha: 

Autora dos livros Equinócio, Polares e A Última Nota (juntamente como Felipe Colbert, autor de Belleville), Lu Piras em seu primeiro livro lançado pela editora Novo Conceito, “Um Herói Para Ela”, conta a história de Bianca Villaverde, que assim como a autora, é carioca e fã de filmes antigos (preciso comentar que fui à loucura quando a autora citou a lindíssima Audrey Hepburn, o Humphrey Bogart e Marlon Brando, pois afinal de contas hoje é tão difícil achar alguém que compartilhe esse amor comigo! Assim que finalizei o livro eu não podia esperar mais um dia para ir à Bienal e conversar com a fofa da Lu Piras).
Bianca, assim como seu pai Ronaldo, é uma advogada de formação que trabalha em um escritório de leilões quase falido localizado no Centro do Rio de Janeiro. Além de estar frustrada com a sua profissão atual, pois o seu verdadeiro sonho é ser roteirista, de ficar carregando papeladas para todos os lados o dia inteiro, o elevador imprestável que nunca funciona, o seu chefe que algumas vezes tenta assediá-la e, como se não bastasse, ela não estava se dando tão bem no quesito amor. Apenas o seu fusca não a deixava na mão.
 Diferente de todos os estereótipos de livros de romance onde a personagem principal busca o príncipe encantado perfeito, Bianca na verdade busca mais um sapo e tenta “transformá-lo” em seu príncipe ideal, o que gera várias situações engraçadas no livro. Como ela mora com os pais, os seus pretendentes sempre são convidados para entrar na casa pela mãe de Bianca, Dona Helena, quando vão buscá-la. A mãe se depara com namorados totalmente diferentes um dos outros, desde o Marquinhos que é nerd e fã de “The Big Bang Theory” até o Pedrão, um cara forte e todo tatuado. Com a situação, Dona Helena que percebe a insegurança e a baixa autoestima da filha, parte numa missão com o marido, de inscrever Bianca em um concurso de roteirista para ingressar na famosa New York Film Academy.
Com a conquista merecida da bolsa, ela parte para Nova York para estudar e realizar seu sonho. Bianca acaba dividindo um apartamento juntamente com uma russa chamada Natalya, que trabalha num clube chamado El Calabozo, onde muitas coisas acontecem e a  banda misteriosa The Masquerades se apresenta, e Mônica, uma brasileira paulistana que sonha em conseguir um papel na Broadway, personagens com personalidades totalmente diferentes que viram amigas no meio das briguinhas bobas e companheirismo.  
Com sua ida para NY, seus pais preocupados criam uma “lista” de coisas que Bianca não poderia fazer, como por exemplo pegar o metro à noite. Contudo, conforme as experiências e as necessidades do momento, Bianca quebra regra após regra e acaba se deparando com um dos personagens principais do livro, Salvatore, que muitas vezes aparece para salvá-la e acaba mudando a sua vida da água para o vinho.
O livro é tão cativante que o li em praticamente um dia, cada capítulo possuía um mistério que despertava aquela curiosidade imensa de saber mais e mais e o leva facilmente até o final com muitas cenas totalmente inesperadas que deixam qualquer leitor surpreso.
A Lu Piras conseguiu de todos os jeitos me surpreender, levando em consideração o fato de que não tenho o hábito de ler muitos livros nacionais. Afoguei qualquer preconceito ou relutância com respeito a livros nacionais recentes de romance e espero sinceramente que todos que possuam um julgamento errôneo em relação a esses livros, tenham essa mesma percepção e leiam antes de criticar, a ficção atual brasileira não se encontra tão perdida quanto imaginam. Triste é escutar comentários de leitores falando que escritores nacionais são “loucos” ou “fantasiosos” ou até “clichês” por escreverem num cenário estrangeiro, mesmo quando autores estrangeiros de renome escrevem sobre o nosso país, como a Lucinda Riley em ” As Setes Irmãs” e se tornam livros altamente aclamados pelo público. Qual o problema em inverter os papéis!? 
 
Leitura altamente recomendada!

Resenha – As Sete Irmãs

por Thila Barto
|
8 de setembro
Título: As Sete Irmãs  Título Original: The Seven Sisters Autor(a): Lucinda Riley Tradutor(a): Elaine Cristina Albino de Oliveira Editora: Novo Conceito Ano: 2014 Páginas: 560 Nota no Skoob: 4.7 Gênero: Ficção; Romance “Nunca deixe o medo decidir seu destino”  Resenha: