Resenha – Depois Daquela Montanha

Por Thales Eduardo
|
16 de março

Título: Depois Daquela Montanha
Título original: The Mountain Between Us
Autor: Charles Martin
Tradução: Vera Ribeiro
Editora: Arqueiro
Páginas: 304
Página no Skoob: Clique aqui

“Você estava certa. Certa o tempo todo. Sempre há esperança. Sempre.”

Ben  só queria voltar para casa e resolver as coisas com sua mulher. Ashley estava as vésperas do seu casamento. Entretanto uma grande nevasca se aproximava e cancelou todos os voos. O próximo sairia somente no dia seguinte.

Mas Ben não queria esperar e conseguiu um voo particular, no qual levou Ashley junto. O que ambos não esperavam é que o avião fosse cair em uma floresta totalmente isolada e coberta de neve.

Com uma perna quebrada, Ashley depende de ajuda. Ben precisará encontrar uma solução em meio a todo o caos que estão vivendo. Mas o tempo é curto. Começou uma corrida contra o tempo, no qual o que está em jogo é a própria vida de cada um.

“Quanto mais o tempo passava e mais eu compreendia a nossa situação, mais preocupado ficava. As coisas estavam ruins por todo lado.”

Depois Daquela Montanha me surpreendeu de várias formas. A começar pela própria história.

Homem e mulher sofrem acidente, ficam isolados e precisam lutar para sobreviver. Um tanto quanto clichê, não é mesmo?! Entretanto, Charles usou do clichê para criar algo novo, empolgante e envolvente. A partir dessa premissa o autor conseguiu conduzir a história de uma forma admirável.

Quando se trata de personagens principais, Ben e Ashley conseguem muito bem carregar esse titulo. A maneira como cada um conduz os fatos é admirável. Logo na primeiras páginas já fui fisgado pelos dois, me sentindo parte do drama relatado.

Outro detalhe importante é o estilo narrativo de Martin. A narração flui totalmente sem nenhum problema e a maneiro como ele descreve cada detalhe aproxima ainda mais o leitor do que está sendo dito. A cada capítulo admirava a forma descrita dos fatos,  do que os personagens enfrentavam e sentiam.

“Perdoar é uma coisa difícil. Tanto para oferecer, quanto para aceitar.”

O livro intercala o presente e passado. Ben narra o que estão passando e também nos relata o passado ao longo dos anos com sua esposa.

Além de entreter, a obra age ainda de modo motivador, incentivador. Aprendemos com os personagens a ate coragem, vontade de viver, de enfrentar as dificuldades acima de tudo. Nem sempre as coisas saem como planejado, mas cabe a cada um dar  seu melhor e seguir em frente.

O livro ganhará uma adaptação para os cinemas ainda esse ano (2017), tendo nos papéis principais Kate Winslet (de Titanic) e Idris Elba (de Mandela). Torço para que façam jus a qualidade do livro.

Depois Daquela Montanha merece um destaque especial no universo literário e certamente conquistará fortemente cada um que se permitir viver essa história incrível!

“Às vezes me pergunto como foi que você se apaixonou por mim. Você acredita em coisas que não pode ver e fala uma língua que só os corações conhecem.”

9788580416190_2

Resenha – Big Little Lies

por Thales Eduardo
|
12 de março
“Às vezes as pequenas mentiras acabam sendo as mais letais.” Lançado pela HBO no dia 19/fevereiro, Big Little Lies chegou arrasando e já me conquistou logo de cara. No primeiro episódio somos apresentados à três fortes protagonistas: Madalaine (Reese Witherspoon), Celeste (Nicole Kidman)

Coluna – Progressão Geométrica Literária.

Por Thila Barto
|
11 de março
Sabe o que eu acho engraçado? Nós amantes, impulsivos, apaixonados, doentes, loucos, aficionados – okay, exagerei um pouco – pela literatura, temos uma mania em particular, entre milhares, que é sempre pensar a seguinte frase: “Queria que eu tivesse tempo suficiente para ler todos

Resenha – Pax

Por Thales Eduardo
|
7 de março

Título: PAX
Título original:  PAX
Autora: Sara Pennypacker
Tradução: Regiane Winarski
Editora: Intrínseca
Páginas: 288
Página no Skoob: Clique Aqui!

“Você não está onde deveria estar. Alguma coisa ruim vai acontecer, porque você não está onde deveria.”

Peter e Pax. Garoto e raposa. Amigos inseparáveis que tiveram que se separar.

Deixar Pax para trás foi uma tarefa quase impossível para Peter. Partiu seu coração. Mas era necessário, como seu pai lhe explicou. A guerra estava chegando e o garoto precisava agora ficar com o avô, já que seu pai iria para o campo de batalha.

Só que no mesmo momento em que chegou a casa do avô, Peter percebeu o tremendo erro que cometeu. Ele havia traído seu amigo mais fiel. Então era preciso consertar isso. Ele precisava fugir e buscar seu amigo.

Enquanto isso, Pax aguardava seu garoto. Ele sabia que Peter iria voltar, que seu amigo não poderia ter lhe abandonado. Só que Pax, desde muito novo, foi criado em casa. Não conhece a floresta e seus perigos.

Ambos amigos viverão diversas aventuras e precisarão suportar as adversidades pelo caminho. Tudo para ter um ao outro de volta.

“A verdade mais simples pode ser a coisa mais difícil de enxergar quando envolve a nós mesmos. Se você não quiser ver a verdade, vai fazer o que for preciso para disfarçá-la.”

Pax é um livro que retrata a inocência em meio as dificuldades da vida. Mostra ainda o poder de uma amizade e o que podemos fazer por ela.

Sara nos leva através da sua narração de uma maneira muito fácil. Conseguimos imaginar as cenas, sentimos o que os personagens estão sentindo e torcemos para que no fim fique tudo bem.

Os capítulos curtos e intercalados entre raposa e garoto nos aproximam de ambos e nos revela o que cada está vivendo naqueles momentos.

As expectativas, desde o lançamento, sempre foram altíssimas. Acompanhei críticas entusiásticas sobre Pax que só me deixaram ainda mais ansioso. Entretanto, a parte inicial do livro foi um tanto frustrante.

Não estava conseguindo me conectar com história e personagens. Tinha impressão que leitura fluía, mas eu sempre estava a um passo atrás. Só que isso mudou completamente em uma determinada parte do livro.

Em uma cena em especial, finalmente, Pax me conquistou, me encantou. Os capítulos, a partir disso, se tornaram ainda mais empolgantes. Havia encontrado aquele livro que tantos elogiavam.

Pax é um livro repleto de aventuras no qual o leitor se sente parte da história.

Vale ressaltar também o trabalho gráfico desse livro. Além da capa dura, a obra possui ainda diversas ilustrações sobre determinados momentos da história, dando forma ao que está sendo narrado.

Outro ponto importante que o livro aborda, apesar de não aprofundar, é a guerra. Como um plano de fundo, podemos observar a maneira como algo tão terrível marca aqueles que já participaram dela e aqueles que estão enfrentando-a pela primeira vez.

Enfim, você certamente irá se envolver com Peter e Pax. Vai torcer por eles. Vai sofrer com eles. Vai amá-los!

Recomendadíssimo, Pax é uma ótima opção de leitura!

127701787SZ

Resenha – O Oráculo Oculto

por Beatriz Guerra
|
28 de fevereiro
Título:  O Oráculo Oculto – (As Provações de Apolo #1) Título Original: The Hidden Oracle (The Trials of Apoll #1) Autor: Rick Riordan Tradução: Regiane WinarskI Editora: Intrínseca Ano: 2016 Páginas: 320 Skoob: aqui Gênero: Ficção, Infanto Juvenil Resenha #semspoilers:  

ND Indica: Especial de Carnaval

Por Equipe Nunca Desnorteados
|
23 de fevereiro
Está chegando a época do ano favorita dos brasileiros: o carnaval. Há quem goste da data para sair pelas ruas e seguir o trio elétrico, e há quem goste para poder descansar e colocar as leituras em dia. Se você faz parte desse segundo grupo de pessoas, nós, do Nunca Desnorteados,

Resenha – Dark Eden

Por Thales Eduardo
|
18 de fevereiro

Título: Dark Eden – O Medo é a Cura [Livro 1]
Título original: Dark Eden
Autor: Patrick Carman
Tradução: Eric Novello
Editora: Gutenberg
Páginas: 240
Página no Skoob: Clique aqui

Sete jovens, todos com 15 anos, são enviados a uma instalação, afastada da cidade e no meio de uma floresta, chamada Forte Eden. Cada um deles possui uma fobia diferente.

Todos eles são tratados pela psicóloga Dra. Cynthia Stevens, que não vê avanços no tratamento de nenhum deles e resolve enviá-los então para um tratamento revolucionário de sete dias que promete curar todos os medos.

O lugar é estranho e logo um dos jovens, Will Besting, sente que algo ali não está certo. Diferente dos outros seis jovens, Will resolve não entrar no Forte.

Como o lugar é extremamente longe, Will não tem como escapar. Precisará ficar lá escondido numa outra instalação durante todo o período de tratamento até que alguém venha buscá-los. E será observando tudo que se passa com os demais jovens, que ele vai descobrir os segredos obscuros que cercam o Forte Eden!

“Somos 7 desconhecidos. Ninguém pode nos achar. Seis pensam que a cura irá funcionar. Mas somente eu sei a verdade. Este lugar irá nos destruir.”

Dark Eden é um daqueles livros que quanto menos você saber melhor. Toda descoberta deve ser feita somente durante a leitura, pois a torna ainda mais interessante.

Patrick Carman nos prende com sua escrita fácil e direta. Por ser um livro relativamente pequeno, não há tanto espaço para todos os personagens. Entretanto, isso não atrapalha o desenvolver da trama.

Tudo flui muito rápido e os mistérios vão sendo revelados no decorrer das páginas. Apesar de não ser um grande terror, há um tom de suspense em toda a narração.

O trabalho de diagramação feito pela editora também merece os parabéns. A capa passa um tom sombrio presente no livro. Há alguns mapas e também ótimas ilustrações sobre as fobias de cada um.

Este é o primeiro livro de uma série. Os demais já foram publicados no exterior, mas ainda não chegaram ao Brasil. Editora Gutenberg, vamos agilizar isso né!?

Dark Eden possui um site oficial em inglês. Quem se interessar, o link é: www.enterdarkeden.com

Para os que buscam suspense e mistério, Dark Eden é uma boa opção!

850-20150724153914

Por que a leitura aumenta a empatia das pessoas?

por Lucas Florentino
|
16 de fevereiro
Há alguns dias, enquanto estava lendo o livro Diga aos lobos que estou em casa, da autora Carol Rifka Brunt (resenha aqui), me deparei com a seguinte situação: um dos personagens estava passando por um grande problema, um daqueles que a gente nunca espera que vai passar na vida. Eu jamais

Resenha – Escândalos na Primavera.

Por Thila Barto
|
14 de fevereiro
Título: Escândalos na Primavera Título Original: Scandal in Spring Autoras: Lisa Kleypas Editora: Arqueiro Tradução: Maria Clara de Biase Gênero: Romance de Época Páginas: 224 Ano: 2017 Página no Skoob: Clique Aqui “Seu fracasso se tornou inconveniente, filha. Preocupa-me o gasto

Resenha – Perdidos Por Aí

Por Santoni
|
9 de fevereiro

Título: Perdidos Por Aí
Título Original: Let’s Get Lost
Autor(a): Adi Alsaid
Tradutor(a): Débora Isidoro
Editora: Editora Verus
Ano: 2015
Páginas: 294
Página do Skoob: Clique Aqui
Gênero: Ficção; Drama; Young Adult

“Porque às vezes é preciso se perder para poder se encontrar.”

O que Hudson, Bree, Elliot e Sonia tem em comum? Os quatro jovens conhecem uma garota misteriosa chamada Leila que passou rapidamente pela vida de cada um, os ajudando como podia e deixando a sua marca na vida dessas pessoas enquanto seguia na viagem mais importante de sua vida.

“Peço-lhe por favor, note quando você está feliz”

Hudson
Típico boy-next-door do ensino médio naquele momento temido pela maioria dos adolescentes: escolha da faculdade. Ele trabalha na oficina do pai em Vicksburg, Mississippi e almeja ser médico. A vida seguia o curso programado, com ocasionais puladas de cerca, mas uma misteriosa menina aparece precisando de ajuda com seu carrinho vermelho, seu amado Plymouth Acclaim e Hudson não consegue negar..

“Às vezes não sei se devo me sentir grata ou apavorada por já ter vivido tantas vidas aos dezesseis anos.”

Bree ♥
Uma jovem louca por aventuras que não gosta de ficar no mesmo lugar por muito tempo, aparentemente vivendo os sonhos mais loucos de todos os jovens. Em um dia escrito nas estrelas, enquanto estava pedindo carona no meio da estrada, se depara com a jovem Leila e seu Plymouth Acclaim, mal sabia ela que seria só o começo de uma louca viagem, talvez a mais louca que já teve.

“Essa não vai ser a última vez que você vai se apaixonar, e provavelmente não vai ser a última vez que acaba com o coração partido.”

“Cada vez que fazia uma promessa de dedinho com Maribel, pensava no gesto como estar um quinto de mãos dadas.”

Elliot
Fissurado por comédias românticas, estava tendo um dia horrível, tinha acabado de ser dispensado pelo seu amor platônico, sua amiga Maribel. Com uma garrafa uísque estava belo e saltitante na maior bad que já havia enfrentado na vida, condições alcoólicas o levaram a ser quase atropelado por um Plymouth Acclaim, que por um triz acertou somente a garrafa que explodiu. Agora, com a mão toda ensanguentada, a motorista do carro o socorre de maneiras que nenhum scrit dos filmes que Elliot memorizou poderia prever.

Sonia
Um ataque de pânico envolvido em lágrimas e lembranças a levou até uma loja de conveniência, seus soluços precisaram de apoio, apoio esse na forma de um Plymouth Acclaim vermelho. Agora sim ela se entrega a uma aventura de descobertas, adrenalina e desencontros que a levam para um futuro além fronteiras para reencontrar seu coração e finalmente re-aprender a viver.

“Se alguns litros de gasolina e tempo podem me ajudar a fazer alguém sentir que não está só, fico mais do que feliz em poder colaborar.”

Esse livro faz parte de um conjunto de livros que eu li no primeiro semestre de 2016, mas não consegui escrever sobre. O motivo é simples.. quanto mais você se conecta com algo, mais difícil é você se satisfazer com o que você tenta passar dele para as pessoas. Mais você acredita não ser capaz de transmitir algo que você viveu imerso naquelas páginas. Mas tentarei ao máximo desenvolver o que Perdidos Por Aí significou para mim.

Acredito que alguns livros aparecem na vida da gente por uma razão (bem wicked mesmo), e esse chegou pelo correio e ficou esperando a sua hora para finalmente ser lido. Foram tantas as expectativas. A capa na livraria. A frase. O mapa. A sinopse. Tudo me preparou erroneamente pro que eu achava que seria o livro. Mas a coisa é .. você não pode ser preparado para uma coisa que depende de tantos fatores psicológicos…

Adi Alsaid dividiu a obra em narrativas focando em um personagem por vez. A narrativa é em terceira pessoa, mas é focada no protagonista da vez. O que eu achei bem interessante, eu achei que eu iria preferir uma narrativa em primeira pessoa, como normalmente prefiro nesse tipo de livro, mas é escrito de uma forma tão bonita que passou voando (é um livro bem rápido). A arrematada das histórias usando a passagem da Leila me deixou bem satisfeito. Fiquei rindo sozinho também nos seus agradecimentos por motivos de ser algo que todos, no fundo, querem ter a oportunidade de dizer.

“Minha gratidão à RuffaloCODY, à NBA e a todas as outras empresas em que procurei emprego depois que saí da faculdade e que não me contrataram, me direcionando, de certa forma, para a vida que tenho hoje.”

Perdidos Por Aí é um Drama, uma Comédia, um Romance, uma Ficção e muito mais.. tudo embrulhado em um papel azul muito.. mas muito mesmo.. agradável para os olhos. É um livro que capta a importância dos momentos e das pessoas que você conhece e quando as conhece. É um alerta de que tudo acontece por um motivo e você pode até acreditar que não é bem assim, mas basta pensar que as coisas acontecem no instante certo para nos ensinar a não menosprezar as coisas que nos acontecem.

É uma leitura super fluída e agradável e cheio de altos e baixos emocionais! Mas é a vida não é mesmo? Dia estamos assim 😉 e dia estamos assim 🙁 .. #vidaquesegue

11026252_941887435862011_3724738968295002933_o