Tag: Lisa Kleypas

Resenha – Um Sedutor Sem Coração

Por Alê Lendo
|
19 de Março
Título: Um Sedutor Sem Coração 
Título Original: Cold-Hearted Rake
Autor(a): Lisa Kleypas
Tradutor(a): Ana Rodrigues
Editora: Arqueiro
Ano: 2018
Páginas: 319
Perfil no Skoob: aqui
Gênero: Ficção, Romance de Época

“Conheço muitos fatos científicos sobre o coração humano, e um deles é que é muito mais fácil fazer um coração parar de bater em definitivo do que evitar amar a pessoa errada.”

DEVON RAVENEL não consegue ver absolutamente nada de bom no recém título de Conde e nas terras que acabou de herdar. Desde que foi informado da morte precoce de seu primo, que quebrou o pescoço ao cair de um cavalo, ele só consegue pensar em como vai ser livrar de um condado cheio de dívidas que o levará a falência mesmo antes de colocar a mão em qualquer centavo.

Devon e seu irmão mais jovem, Weston (West) Ravenel, acabaram de chegar ao Priorado Eversby, a centenária propriedade da família Ravenel, para a reunião com os advogados que lhe darão a notícia que tanto anseiam. Como seu primo não deixou nenhum herdeiro vivo, ou a caminho, Devon não precisa esperar – nem mesmo um único dia – para vender todas as terras e livrar-se do indesejável espólio.

Devon não pensa em agir de maneira nobre ou muito menos torna-se um nobre, ele quer apenas voltar para Londres onde continuará jogando, bebendo e saindo com belas mulheres até que sua vida se esvaia e ele veja a linhagem Ravenel, outrora tão respeitada, chegar ao fim.

KATHLEEN RAVENEL acaba de ficar viúva, por um infortúnio do destino, ficou casada por apenas três dias. Seu marido, Theo Ravenel, com seu temperamento arrogante e intempestivo, perdeu o controle de um cavalo árabe selvagem enquanto tentava domá-lo a força.

Katheleen sabe melhor que ninguém que a mansão Ravenel está caindo aos pedaços, e que seus arrendatários estão falidos, mas ela não tem escolha, precisa cuidar das três cunhadas a quem tanto ama: Helen, Cassandra e Pandora. Ela tinha alguma esperança de mantê-las na casa onde cresceram e reconhecem como lar, mas o homem que estava a sua frente pretendia lotear suas terras e vendê-la com entulho. Era um patife, rude, egoísta e lindo. Ela jamais admitiria algo assim em voz alta, mas Devon era um homem altivo, envolvente e muito belo, tanto quanto desprezível.

Mas Kathellen já sabia o que fazer. Ela esperaria a decisão dos advogados, pegaria sua parte no espólio e usaria sua renda como viúva para viver com as garotas no campo. Não seria uma vida de luxo, mas as manteriam em segurança e, com um pouco de sorte, poderia até conseguir um casamento aceitável para as garotas.

Queridos leitores, QUE SAUDADES DE LISA KLEYPAS

Aquela sensação de saber que tem um livro espetacular em mãos, mesmo antes de abri-lo. Coisas que só Mrs. Kleypas pode dar a você. (mais…)

Resenha – Uma Noite Inesquecível

Por Alê Lendo
|
29 de setembro
Título: Uma Noite Inesquecível
Título Original: A Wallflower Chritmas 
Autor(a): Lisa Kleypas
Tradutor(a): Viviane Diniz
Editora: Arqueiro
Ano: 2017
Páginas: 143
Perfil no Skoob: aqui
Gênero: Romance de Época, ficção.
“A senhorita está certa. – disse ele. – Mas, acredite,  sou ainda mais irritante quando tento ser educado.” RAFE BOWMAN.

Já estou avisando: esta é uma resenha tendenciosa. Então, se você está procurando uma opinião imparcial sobre “UMA NOITE INESQUECÍVEL”, eu sugiro mudar de canal.

E, qual é a razão para este comportamento tão efusivo? porque LISA KLEYPAS É RAINHA, não é leitores? (pergunta retórica)

Gente, se LISA KLEYPAS decidisse escrevesse livros de dicas sobre bordado e costura compraríamos toda a coleção para confeccionar marcadores de página em ponto cruz!

Bom, mas vamos lá, para os menos informados, “UMA NOITE INESQUECÍVEL” é um “spin-off” da série “AS QUATRO ESTAÇÕES DO AMOR”, então, para o nosso deleite, vamos passar mais algum tempo com as melhores companhias do mundo: Lilian, Daisy, Annabelle e Evie. E elas voltam a atacar no que fazem melhor: Unir os predestinados!

RAFE BOWMAN está em Londres. E ele já tem a sua prometida, a encantadora e bem nascida Natalie Blandford.

Os Bowman não veem a hora de finalmente casarem seu filho farrista e encrenqueiro e, de bônus, inserirem uma belíssima aristocrata à família. RAFE BOWMAN também quer se casar, assim toma posse da expansão europeia das empresas e se livrar das rédeas do pai.

Mas para tanto, ele precisa convencer a família da moça que é um bom partido. Bom, a família toda não, somente a prima, a sincera, bem educada e correta HANNAH APPLETON.

HANNAH é acompanhante de Nathalie na verdade ela é uma prima paterna de origem bem humilde. Hannah não gosta de Rafe, e não precisa que ninguém lhe esclareça o óbvio: Ele não será um bom marido, Rafe é um americano grosseiro que está interessado apenas em uma ligação de prestígio em Londres. (mais…)

Resenha – Escândalos na Primavera.

Por Thila Barto
|
14 de Fevereiro

Título: Escândalos na Primavera

Título Original: Scandal in Spring

Autoras: Lisa Kleypas

Editora: Arqueiro

Tradução: Maria Clara de Biase

Gênero: Romance de Época

Páginas: 224

Ano: 2017

Página no Skoob: Clique Aqui

“Seu fracasso se tornou inconveniente, filha. Preocupa-me o gasto desnecessário com vestidos e bugigangas… O tédio de levá-la de uma baile improdutivo a outro. […] Por isso, decidi escolher um marido para você.”

Resenha:

Finalmente e, ao mesmo tempo infelizmente, saiu o último livro da série de Lisa Kleypas, As Quatro Estações do Amor e o que já posso adiantar sobre ele: está adorável!! Confesso que Evie é minha personagem preferida, mas minha nossa… esse livro, Escândalos na Primavera, pra mim foi o melhor! E que final perfeito <3!!! (Não se preocupe, não darei spoilers e muito menos revelarei o final; eu só precisava desabafar isso mesmo porque já fazia um tempo que eu não gostava tanto de um fechamento de uma série, rsrs).

A protagonista da vez é a amável, divertida, sonhadora, romântica e devoradora de livros, Daisy Bowman, a única do grupo das flores secas que ainda está solteira. Várias temporadas e bailes já haviam passado e Daisy não recebia nenhuma proposta de casamento. Será que seria uma solteirona e jamais acharia um marido assim como dos livros que tanto lia?

Seu pai, Thomas Bowman, já impaciente com a situação pois não aguentava mais o fracasso de sua filha e precisava voltar para Nova York, acha a solução perfeita para o problema: se ela não conseguisse um pretendente até o final da temporada, ela se casaria com o seu protegido e empregado em sua empresa, Matthew Swift.

Horrorizada com o ultimato de seu pai, já que nunca gostou do ‘saco de ossos’, frio e controlador, Matthew, Daisy recorre à sua última esperança: ir ao poço de desejos de Stony Cross e fazer um pedido, pois afinal de contas, tinha funcionado para suas outras amigas, não é mesmo? O que ela não esperava era que, após fazer o desejo, daria de cara com o dito cujo e, ainda por cima, que o antigo ‘saco de ossos’ agora era um homem totalmente mudado e atraente. Como isso seria possível?

Afirmando para si mesma que a mudança de Matthew não mudaria em nada o desprezo que sentia por ele, Daisy, sem pensar duas vezes, já inicia uma conversa com ele dizendo que nada faria ela se casar com ele. Mal sabia ela que Matthew não fazia a menor ideia do que ela estava falando. O que diabos estava acontecendo?

Só lendo você irá descobrir.

O livro no geral é super divertido pois Daisy não pensa duas vezes antes de soltar um comentário ou fazer algo para solucionar um problema e conseguir o que quer. Sem falar que ela é MEGA competitiva, rendendo assim, MUITAS risadas.

Como nos livros anteriores, temos aparições breves de todas as antigas protagonistas – Annabelle, Evie e Lillian – o que torna a leitura ainda mais agradável pois podemos saber mais sobre suas vidas, além de matarmos a saudade das particularidades de cada uma. Porém, senti que Kleypas deu muito foco em Lillian neste livro, ofuscando um pouco Daisy, entretanto, mesmo assim, Escândalos na Primavera é meu livro favorito da série sem sombras de dúvidas! <3

Leiam, leiam e leiam que não haverá arrependimentos 

Resenha – Desejo à Meia-Noite

Por Alê Lendo
|
2 de outubro

Título: Desejo à Meia Noite
Título Original: Mine Till Midnight
Autor(a): Lisa Kleypas
Tradutor(a): Livia de Almeida
Editora: Arqueiro
Ano: 2013
Páginas: 272
Perfil no Skoob: aqui

Gênero: Ficção, Romance de Época 

” – Não te parece com nenhum homem que tenha conhecido alguma vez. Tampouco é alguém com quem tivesse podido sonhar. ë como um personagem de um conto de fadas escrita em um idioma que nem sequer conheço.
– O Príncipe, espero.
                         – Não, é o Dragão, um formoso e malvado Dragão.”
 
Se você nos acompanha aqui no Blog sabe que já resenhamos dois livros da série “As Quatro Estações do Amor” da escritora LISA KLEYPAS, são eles: “Segredos De Uma Noite de Verão” (aqui) e “Era Uma Vez No Outono”. Estes dois livros (a série completa é formada por quatro livros – ou cinco, caso a Arqueiro também publique “A Wallflower Christmas”) fazem parte da aclamada série “WALLFLOWERS”. 

Caros, esta série deu tão certo que devido ao sucesso AR-RE-BA-TA-DOR de um de seus personagens secundários, CAM ROHAN (que aparecerá no próximo livro “Pecados no Inverno”), Lisa Kleypas decidiu dar à ele não só uma história, mas uma nova série: OS HATHAWAYS.  
Gente, tentarei ser o mais tranquila possível em minhas colocações, mas gostaria de registrar que AMO MUITO Romances Históricos, sei que temos inúmeras e excelentes escritoras, livros fascinantes e histórias arrebatadoras, mas LISA KLEYPAS é minha insana e imensurável paixão.
OS HATHAWAYS é o que chamamos de “spin-off” (um produto novo , seja livro, série, filme ou qualquer outra coisa, derivado de um outro já existente) de “As Quatro Estações do Amor”, mas não se preocupem, uma série pode ser lida INDEPENDENTEMENTE do prévio conhecimento da outra. 
Mas voltando ao que interessa… vamos falar de OS HATHAWAYS. Como já estou pegando o jeito com romances históricos que tratam de pessoas de uma mesma família, vou começar com o nome dos livros e a que irmão se refere:
Livro 1 – Desejo à Meia-Noite – Amelia Hathaway
Livro 2 – Sedução ao Amanhecer – Winnifred Hathaway
Livro 3 – Tentação ao Pôr do Sol – Poppy Hathaway
Livro 4 – Manhã de Núpcias – Leo Hathaway 

Livro 5 – Paixão Ao Entardecer – Beatrix Hathaway
OS HATHAWAYS foram muito bem criados. Seus pais ensinaram e incentivaram os seus filhos a lerem, estudarem e obedecerem seus instintos, mas por um grande infortúnio do destino, ambos morreram muito cedo, deixando os irmãos aos cuidados uns dos outros.
AMELIA HATHAWAY é uma mulher inteligente, forte, destemida e admirável, a segunda mais velha do clã está passando por momentos bem difíceis, acabou de sofrer uma grande decepção amorosa, tem de lidar com as constantes encrencas e sumiços do irmão mais velho – que apesar de ter acabado de herdar um título de nobreza passa a maior parte do tempo bebendo e jogando cartas – tem uma irmã doente, outra com tendências cleptomaníacas, e também precisa lidar com a recém mudança de moradia e o escasso dinheiro para os gastos e sustento da família. 
Ainda assim, Amelia não desiste de cuidar de seus irmãos, e não dá a menor atenção aos comentários da sociedade sobre as excentricidades dos Hathaways. Amelia sabe que precisa estar presente, sabe que já passou da idade de sonhar e acabou por desistir de arranjar um marido e fazer um bom casamento. 
Em uma das noites de sumiço do irmão, e temendo pela sua segurança, Amelia decidi sair a procura de Leo nas piores tavernas e clubes de Londres, é em um desses clubes que em meio a uma briga que ela é completamente tragada pela figura do cigano CAM ROHAN
PARA TUDO! Ciganos são um dos grandes fracos desta que vos fala, portanto sempre que CAM e MERRIPEN (o mocinho – e põe mocinho nisso! – do próximo livro), forem citados possíveis suspiros irão poderão ocorrer.
Cam Rohan gerencia um grande clube de jogos em Londres, é conhecido por sua postura impecável, seu imenso carisma e sua habilidade nata com os números. Apesar de ter escolhido viver entre os “Gadjes” (termo usado pelos ciganos para referir-se a um não cigano), Cam mantém em sua essência os costumes e a magia de seu povo. Sua beleza extraordinária, sua pele cor de mel e seus cabelos negros, enfeitiçam e desafiam Amelia irremediavelmente.
Mas se você está achando que Amelia vai sair correndo para se jogar nos braços do mocinho, não poderia estar mais enganado. Amelia conhece seus problemas e suas responsabilidades, sabe que precisa ajudar Leo a assumir seus deveres de Nobre e também casar sua três irmãs. Então, mesmo sentido-se atordoada e angustiada pela atração quase  que insuportável, ela sabe que aproximar-se de Cam Rohan seria um escândalo sem precedentes. 
Bem, estamos falando de ciganos, não sei o quanto vocês conhecem sobre ciganos, mas posso garantir que teremos MUITO da pura essência cigana por aqui, me refiro a romance, brigas, sedução, ciúmes, intrigas, bate-boca, pegação… ou seja, amores que infelizmente – na opinião desta que vos escreve – não existem muitos por aí! 
“Desejo à Meia Noite” é o começo de uma paixão indomável e indescritível: OS HATHAWAYS. Você vai se afeiçoar enlouquecidamente por Wyn, Poppy, Beatrix e Leo, que apesar da “missão suicida” (e acredite, ele tem os seus motivos), é um homem preocupado  com a felicidade e segurança de sua família. Eu poderia dizer simplesmente que gosto muito desta serie, mas essas palavras não fariam jus ao quão apaixonada sou por essa série!

LISA KLEYPAS é a rainha dos diálogos fluidos, inteligentes, sarcásticos e envolventes, são tramas que se desenvolvem e alinham-se com extrema perfeição entre cada livros, não há buracos, falhas ou rodeios. 
E se você acha que eu fui super passional nesta resenha, preparem-se para me ver en-san-de-ci-daaaa em “Sedução ao Amanhecer” – o 2° livro da serie – porque meus queridos, acreditem, MERRIPEN destruiu meu todo o meu filtro “Fangirling”. 

Resenha: Pecados no Inverno

Por Thila Barto
|
10 de agosto
Título: Pecados no Inverno
Título Original: Devil in Winter
Autor: Lisa Kleypas
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance Histórico
Páginas: 288
Ano: 2016
Página no Skoob: Clique Aqui

“Preciso de um marido e o senhor precisa de uma esposa rica. Ambos estamos igualmente desesperados, o que me leva a acreditar que o senhor aceitará minha proposta.”

Resenha:
Como começar a falar desse livro sem relembrar o volume anterior e, claro, sem falarmos sobre aquele final bombástico – que me deixou tendo revertérios por horas!? 
 
Primeiramente pensei: Lisa Kleypas, sua maluca, como você coloca a sua melhor personagem – falo isso pois a Evie é a minha favorita – fazendo um acordo de Fausto através de um pedido de casamento com o cafajeste, mentiroso, libertino e filho da mãe, Sebastian? Ele basicamente tinha sido o ‘vilão’ no volume anterior ao tentar sequestrar Lillian e obrigá-la a se casar com ele por causa da fortuna dos Bowmans.
 
Segundamente: Eu não conseguia parar de pensar em como as amigas de Evie iriam perdoá-la!
 
Comecei a imaginar ‘n’ coisas sobre o que poderia acontecer, mas foi só depois de terminar de ler essa maravilha que eu falei para os ventos: Obrigada, Lisa Kleypas, a única maluca aqui sou eu mesmo pois esse livro é, sem dúvida alguma, o melhor da série… até agora. (Preciso do livro da Daisy pra ontem, rsrs)
 
Agora que já fiz o meu desabafo, tentarei ser uma pessoa ‘normal’ para falar um pouco sobre esse livro…
 
Evangeline, a protagonista da vez, tinha um problema sério para lidar, ou melhor… alguns problemas. Sua mãe estava morta; seu pai – a única pessoa no mundo que ela acreditava que se importava com ela – estava próximo do mesmo destino e ela tinha uma série de perguntas para fazer; os seus tios, Maybricks, a maltratavam sem piedade e ainda queriam obrigá-la a se casar com o palerma do seu primo, Eustace, para herdarem toda a fortuna que o pai de Evie deixaria… 
 
Como resolver tudo isso e se livrar das maldosas garras de seus parentes? Duas de suas três amigas já haviam se casado e não queria incomodá-las com problemas, assim, a única saída que Evie encontra é achar um marido.
 
Mas quem estaria com o mesmo desespero gigantesco para se casar? Ainda mais com ela que sempre levava chá de cadeira nos bailes pois os homens a ignoravam por ser gaga…?
 
Ao lembrar do que Sebastian foi capaz para resolver a sua situação financeira, Evie vai até a sua casa para fazer um acordo sem ser convidada, em uma hora escandalosamente tardia e, como se não bastasse, desacompanhada. Pouquíssimos minutos eram precisos para perder a reputação na companhia do libertino, ainda mais nas condições que ela se encontrava. Se sua missão falhasse, ela estaria arruinada para sempre.

“Eu estou lhe propondo casamento. Quero sua proteção. […] Meu pai está doente e fraco demais para me ajudar e não quero ser um fardo para minhas amigas. Preciso de um marido e o senhor precisa de uma esposa rica. Ambos estamos igualmente desesperados, o que me leva a acreditar que o senhor aceitará minha proposta.”

Sebastian era um homem que gostava de se vestir, comer e morar bem, e a parca verba mensal que recebia do pai logo seria cortada já que ele falhou na sua única responsabilidade na vida como duque: manter a fortuna da família intacta.
 
Ele não tinha saída a não ser aceitar. Seu pai estava saudável e pobre, já o pai de Evie, rico e morrendo. Para um homem que não fazia nenhuma objeção de procurar a saída mais fácil, essa proposta era como se fosse uma dádiva dos céus.
 
Mas não acaba por aí! Evie tinha mais duas condições: Uma parte da herança ficaria para ela fazer o que bem entendesse e dormiria com ele apenas uma vez para consumar o casamento e torná-lo legal, depois disso, nunca mais. Para Sebastian seria ótimo já que raramente dormia com uma mulher mais de uma vez.
 
Assim os dois partem para Gretna Green para se casarem as pressas antes que alguém os impedissem.
 
Agora várias perguntas que não querem calar: 
► Será que o casamento com Sebastian impediria os Maybricks de voltar para forçar Evie a fazer a vontade deles? 
►Como Evie explicaria sua situação para as amigas, especialmente Lillian? 
►Será que ela seria capaz de administrar o clube de jogos de seu pai, ainda mais por ser mulher? 
►E, claro, como o seu relacionamento com Sebastian iria ficar após a consumação do casamento?
 
Só lendo você irá descobrir :)!
 
Eu amo demais os livros da Kleypas. Os personagens são simplesmente sensacionais, a narrativa é viciante e ela literalmente domina a arte de escrever diálogos inteligentíssimos e engraçadíssimos com aquela pitada formidável de sarcasmo. Preparem-se para passar nervoso, se desesperar, gargalhar e amar essa história.
 
Ah! E para quem leu a série dos Hathaways, já aviso com antecedência: segurem o queixo que tem surpresinha para vocês! Kkk
 
Leiam, leiam e LEIAM! <3
 
Estou aqui fazendo uma corrente para um dia essa autora vir para o Brasil! Editora Arqueiro, se eu falar que te amo ajuda? Kkkk

Resenha – Sedução ao Amanhecer

Por Alê Lendo
|
26 de julho
Título: Sedução ao Amanhecer
Título Original: Seduce me at Sunrise
Autor(a): Lisa Kleypas
Tradutor(a): Débora Isidoro
Editora: Arqueiro
Ano: 2013
Páginas: 242
Perfil no Skoob: aqui
Gênero: Ficção, Romance de Época
  
“Céus! – disse Leo com a voz rouca. – Se tinha coragem para morrer com ela, não acha que poderia encontrar coragem para viver com ela?”
 
Já disse para vocês que quanto mais gosto de um livro, mas dificuldade tenho para falar dele? Acho que por isso demorei tanto para escrever sobre o 2° livro da série os “Os Hathaways”, SEDUÇÃO AO AMANHECER.
Como já tinha explicado no 1° livro – resenha aqui – cada livro da série vai falar das desventuras sociais, familiares e amorosas de um dos irmãos mais excêntricos, barulhentos e adoráveis que conheço OS HATHAWAYS.
E agora é a vez da nossa querida WINNIFRED HATHAWAY, ou simplesmente, WIN.
Há dois anos WIN contraiu uma severa escarlatina que quase a matou. Apesar de ter se recuperado, as sequelas e agressividade da doença deixaram a extremamente frágil e com os pulmões muito fracos. Esta são as razões que fazem de WIN a belíssima e doente irmã HATHAWAY
KEV MERRIPEN é um rom, um cigano. Quando adolescente, durante um confronto de sua tribo e Ingleses armados, ele foi atingindo e abandonado inconsciente para morrer às margens de um rio. Quase que por milagre, foi encontrado pelo Sr. Hathaway, que o levou para casa e tratou de seus ferimentos. Dias depois, embora sem forças, MERRIPEN decidi deixar a casa, pois não suportava a ideia de dever favores a nenhum “gadje” (palavra usada para designar pessoas não ciganas). Mas é naquele dia que uma doce menina de cabelos loiros platinados e pele branca como o luar, bate a sua porta e o pergunta: – Posso entrar?
Era WIN.
E naquele exato momento, Merripen sabe, não iria embora aquele dia, nem em nenhum outro de sua vida.
Win e Merripen cresceram juntos. Merripen, embora sempre tenha sido tratado pelos Hathaways como membro da família, sempre se manteve distante, agindo como um leal serviçal e nada mais. Esteve ao lado da irmã mais velha, Amélia, quando o Sr. E Sra. Hathaway morreram, trabalhou duro, protegeu a família de qualquer ameaça, passou dias e noites ao lado de Win, quando ela contraiu escarlatina, e continuou assim, cuidando de tudo que era necessário para conforto, segurança e felicidade de Win.
Merripen nunca reclamou, nunca se declarou, nunca tentou tocá-la e nunca pediu nada em troca.
Agora câmera, fecha em mim: QUE HOMEM É ESSEEEEEE????? #TimeMerripen
Voltando…
Win sabe de três coisas:
Ela ama Merripen.
Merripen a ama.
E ele NUNCA admitiria seus sentimentos.
Merripen considera-se inferior e indigno do amor de Win. Por isso, prefere fingir ser apenas um irmão mais velho e zeloso que só quer vê-la bem casada com alguém que seja de seu nível e parte da sociedade.
E não pense que essa convivência em família acontece com calma e tranquilidade. Ao contrário de Cam Rohan, casado com a irmã mais velha de Win, também cigano, mas totalmente adaptado aos costumes “gadjes”, Merripen que alias foi absolutamente contra o casamento de Cam e Amélia), é um cigano em estado bruto, um bicho do mato mesmo.
Resumindo: estamos falando de um homem de quase dois metros de altura, forte, de pele dourada, cabelos e olhos negros que não gosta muito de seres humanos em geral, a menos que este seja um Hathaway, entendeu?
Win cansou de ser tratada como invalida, e decidiu correr atrás do que quer. Para isso foi passar seis meses na França onde há tratamento com novas técnicas para doentes em sua situação. Leo, o irmão mais velho dos Hathaways, decidi acompanhá-la durante o tratamento.
#Dica: a partir deste livro a história do Leo – que será contada no 4° livro – começa a tomar forma, então, bora prestar bastante atenção no moço!
Pois bem, seis meses depois Win volta da França feliz e praticamente curada, ou seja, AGORA PODE POR A MÃO NA MOÇA QUE ELA NÃO VAI QUEBRAR! E ai você pensa: Agora Win e Merripen vão correr um para os braços do outro? Mas só que não!
Se antes Merripen já se achava inadequado para Win, agora ele não se sente nem no direito de olha-la nos olhos. E para deixar o que já estava ruim bem pior, Win trouxe um pretendente em sua bagagem da França.
A partir daí, caro amigo, é briga, segredos familiares, intrigas, sequestro, ciúmes, paixão, amor e raptos e toda aquela maravilha do universo cigano.
O final de SEDUÇÃO AO AMANHECER é surpreendente e lindo. São anos lendo romance de época, e nada bate esse livro.
Resenha grande, né? – mas eu avisei, é o meu livro preferido!

Resenha – Era Uma Vez No Outono

Por Thila Barto
|
9 de Março

 

Título: Era Uma Vez No Outono
Título Original: It Hapenned One Autumn
Autor(a): Lisa Kleypas
Tradutor(a): Maria Clara de Biase
Editora: Arqueiro
Ano: 2016
Páginas: 288
Perfil no Skoob: aqui
Gênero: Ficção; Romance de Época

 

“Apesar de sua aversão a Westcliff, ela devia reconhecer que ele era um homem bastante atraente.”

Resenha:

Queria começar essa resenha sem dar um surto logo de cara mas desculpa, produção…Eu preciso falar: QUE FINAL FOI ESSE KLEYPAS? Os romances de época são aquele tipo de gênero que quando você lê um, mal pode esperar pelos demais e, com ‘Era Uma Vez no Outono’, não foi diferente. Na verdade, nenhum antes havia me deixado num desespero tão grande à ponto de me fazer criar uma contagem regressiva para o próximo livro no meu celular, rsrs. Sério… Ele me tirou dos eixos!

Enfim…Deixando o surto de lado porque ninguém é obrigado a aturá-lo, a protagonista da vez é Lilian, a mais velha do grupo das solteiras ‘Flores Secas’ desde que Annabelle – protagonista do volume anterior – se casou. O pacto que fizeram de se ajudarem a encontrar um marido ainda está firme e forte entre elas.


 Lilian, como pudermos perceber no volume anterior, é uma moça nem um pouco tradicional. Além de ter uma língua afiadíssima e soltar comentários sem pensar duas vezes, não suporta ter que lidar com inúmeras regras e o opressivo decoro presente na Inglaterra. Possui uma energia e um entusiasmo enorme por atividades físicas, o que de certa forma não é de bom-tom para mulheres jovens na posição dela exibirem tanta saúde e vivacidade. Esperava-se que fossem tímidas, modestas e contidas para se tornarem uma boa esposa e Lilian, era totalmente o oposto. Como arranjaria um marido desse jeito?

Antes de partir para Stony Cross Park para uma série de eventos da família Westcliff, Lilian decide parar num perfumista para pedir que lhe faça um perfume com a fórmula que havia desenvolvido. Ela possui um talento nato para identificar aromas e formar combinações, mas tal talento não a ajudaria em nada para conquistar um pretendente, a não ser que, sua combinação fosse única e claro, afrodisíaca…

Finalmente havia chegado na casa dos Wescliff, mas só de lembrar que teria que lidar com Lorde Westicliff, já ficava irritada. Marcus é educado, inteligente, atraente, sabe montar a cavalo e dançar, porém também é teimoso, sarcástico, controlador, arrogante e, mesmo sabendo que ele é o solteiro mais cobiçado e um super pretendente, Lilian não o suportava.

Westicliff, por outro lado, também não suportava Lilian. Ele só havia convidado os Bowman para os eventos porque se viu forçado a convidá-los já que queria fazer negócios com o pai de Lilian. A vinda das duas filhas fazia parte do pacote e ele faria de tudo para evitá-las, principalmente a mais velha.

“O motivo de eu detestá-lo tanto, Daisy, é que ele obviamente me detesta. Considera-se superior a mim de todos os modos possíveis: moral, social e intelectualmente… Ah, como eu queria encontrar um meio de deixá-lo chocado!”

A partir do momento que ambos precisam ‘dividir’ o mesmo espaço, o livro desenvolve-se de uma maneira maravilhosamente divertida e apaixonante. Não tem como não soltar diversas risadas com as situações e com os diálogos trocados pelos dois. Ambos são ‘cabeça dura’ e teimosos.

Agora duas perguntas que não querem calar: O perfume de Lilian funcionaria com alguém, ainda mais depois que emprestou para as demais Flores Secas? E o que aconteceu para me deixar em completo desespero no livro? Só lendo você irá descobrir.

“Meu Deus, não há nada que a senhorita não se preste a fazer?- perguntara a Lilian, E ela respondera audaciosamente: – Se há, ainda não descobri. “

Leiam, leiam e leiam!

😉

Resenha – Segredos de Uma Noite de Verão

Por Thila Barto
|
21 de agosto
Título: Segredos de Uma Noite de Verão
Título Original: Secrets of a Summer Night
Autor(a): Lisa Kleypas
Tradutor(a): Janaína Senna
Editora: Arqueiro
Ano: 2015
Páginas: 284
Nota no Skoob: 4,3
Gênero: Romance de Época, Ficção.

 
“Talvez minha sorte esteja prestes a mudar, pensou Annabelle, e fechou os olhos numa breve oração de esperança”
 
Resenha:
     Como não amar os romances de época!? Lisa Kleypas em sua nova série “As Quatro Estações do Amor” traz uma história apaixonante e super divertida em seu primeiro volume, “Segredos de uma Noite de Verão”. Serão quatro livros e preciso confessar que mal posso esperar pelos próximos e que achei todas as capas simplesmente maravilhosas:
 
 
     Temos com protagonista nesse primeiro volume, Annabelle Peyton, uma moça que está desesperadamente em busca de uma marido, já que após a morte do seu pai, sua família tem passado por problemas financeiros. O grande problema é que Annabelle não possui dote e toda temporada é um fracasso total.
 
         Em um dos raros feriados da escola de seu irmão Jeremy, Annabelle e ele partem para Leicester Square para assistirem ao mais recente espetáculo de panoramas, porém eles têm uma enorme surpresa ao chegar no local: os ingressos haviam aumentado e as duas semanas guardando qualquer centavo para comprar os ingressos foram em vão. Após desistirem do show, uma figura se aproxima deles e Jeremy o reconhece imediatamente. Tratava-se de Simon Hunt, o filho do açougueiro. Ele se oferece para pagar os ingressos para os dois e, quebrando o conselho da mãe de jamais aceitar dinheiro emprestado de estranhos, eles acabam aceitando depois de muita conversa.
       Entretanto, para o desconforto de Annabelle, ela não conseguia desviar o seu olhar dele. Ela sabia que ele era o tipo de homem com quem uma mulher bem educada nunca iria querer ficar sozinha mas, para a sua surpresa, durante o espetáculo quando a produção diminuiu a iluminação Hunt a beija, conseguindo deixar Annabelle totalmente desconcertada e logo em seguida, Hunt desaparece.

“Não importava como ou por que Simon Hunt havia conseguido quebrar todas as defesas bem construídas de Annabelle. O fato era, ele conseguira fazê-lo…E, portanto, era um homem a ser evitado a qualquer custo.”

         Para o desânimo de Annabelle, em todos os bailes das temporadas, Simon Hunt a convidava para dançar e ela recusava todas as vezes. Ela preferia tomar um ‘chá de cadeira’ em todas festas (o que já estava bastante acostumada já que ninguém além dele a convidava), do que dançar com aquela criatura. Simon não fazia parte da nobreza, mas era sempre convidado para as festas da alta sociedade, porque era demasiado rico para ser ignorado.
        A situação de Annabelle estava se tornando cada vez mais desesperadora e precisava arranjar um marido urgentemente, caso contrário, não poderiam mais pagar para manter Jeremy na escola e uma vez começada a decadência, não havia como se reerguer.

“Annabelle estava cansada dos constantes esforços para enganar a todos, quando parecia que era de conhecimento público que viviam à beira de um desastre”.

     Suas esperanças aumentam quando as três solteironas que sempre tomavam ‘chá de cadeira’ em todas as festas junto com ela, viram suas amigas e fazem um pacto para ajudarem umas as outras.

“Precisamos fazer um pacto para ajudar umas às outras a encontrar um marido. Se os homens não vierem atrás de nós, iremos atrás deles. O processo se mostrará muito mais eficaz se juntarmos forças, em vez de avançar individualmente.”

         Dispostas a ajudarem primeiramente Annabelle, por ser a mais velha, elas entram em um consenso que Kendall é um alvo viável apesar das chances serem limitadas já que uma multidão de mulheres se atiravam nele. Tudo poderia ser muito fácil se não fosse pela presença constante de Simon Hunt. Ele sabia muito bem que tirava Annabelle do sério, e ela por outro lado, tinha noção do seu ‘tenebroso’ desejo que sentia por Simon porém, também sabia que ele a desejava somente como amante, então ceder ao encantos desse homem impossível estava fora de questão.
 
       Como tudo se desenrola? Esse é um spoiler que eu jamais darei. O livro tem uma narrativa super divertida, rápida e é impossível largar por muito tempo. Preciso também confessar que a relação de Annabelle e Simon me lembrou muito a de Scarlett O’Hara e Rhett Butler em “E O Vento Levou”, tem uma cena em especial que é muito parecida. Enfim…Super recomendo!! Que venham os próximos.
 
😉