MENU
Bem vindos ao site Nunca Desnorteados. Faremos do nosso jeito. Resenhas do que é bom, do que nem tanto. Do que se lê, do que se assiste, do que se joga. Do antigo para se lembrar. Do novo para conhecer. Em textos, em vídeos, em imagens. Diariamente. Semanalmente. Agora mesmo. Erraremos às vezes. Acertaremos na próxima. Riremos de todas. Desse jeito. Estaremos assim, nunca desnorteados. Obrigado pela visita, fique a vontade para comentar, compartilhar com seus amigos e não se esqueça de nos seguir nas redes sociais. Volte sempre!
Últimas Novidades
site atualizado há 3 semanas
CONFIRA:
Título: As Crônicas de Marte Título original: Old Mars Autores: George R. R. Martin e Gardner Dozois Tradução: Fábio Fernandes Editora: Arqueiro Páginas: 496 Skoob: Aqui Vida extraterrestre é um assunto que instiga a todos. ...
CONFIRA:
“Se quem éramos no passado tivesse um vislumbre de nós agora, o que achariam?” Existem livros que são simplesmente um soco no estomago e você tem que aprender a lidar com eles caso queira chegar ...
CONFIRA:
Título: Quando Tudo Faz Sentido Título original: Falling Into Place Autora: Amy Zhang Tradução: Joana Faro Editora: Rocco Páginas: 320 Skoob: Aqui “A vida é mais que causa e efeito. As coisas não era tão simples ...
CONFIRA:
Título: Olá, caderno! Autora: Manu Gavassi Ilustração: Nath Araújo Gênero: Jovem Adulto, Ficção Editora: Rocco Jovens Leitores Páginas: 312 Ano: 2017 Skoob: Aqui   Antes de começar essa resenha, vocês precisam saber de uma coisa: eu amo a Manu Gavassi. Sério, ...
Título: A Coroa da Vingança Título Original: Reunited Autora: Colleen Houck Tradução: Alves Calado Editora: Arqueiro Páginas: 416 Skoob: Aqui Ps: Terceiro e último volume ...
30 • 01 • 18
Uau! Estou com uma tremenda vontade de começar essa resenha com um enorme palavrão, mas se eu soltasse um, uma sequência insana de outros palavrões ...
28 • 01 • 18
Estou é passando MUITO MAL! The Crown é uma de minhas séries favoritas e confesso que está sendo um tanto difícil pra mim aceitar a ...
26 • 01 • 18
13
01
18
10
01
18
Título: Fraude Legítima
Título original: Genuine Fraud
Autora: E. Lockhart
Tradução: Flávia Souto Maior
Editora: Seguinte
Páginas: 280
Skoob: Aqui

Em um livro em que a personagem principal te engana e confunde, o leitor precisará ficar atento para decifrar as peças desse enigma. Afinal, quantas vidas uma pessoa pode assumir?

Fraude Legítima começa do final. Calma, é isso mesmo que você leu. Partimos do capítulo 18, em um momento crucial da história e fazemos o caminho inverso do geralmente utilizado. A cada capítulo vamos regredindo cada vez mais ao passado para entender o que está acontecendo.

Para Jule West Williams, a vida trouxe grandes desafios que a impulsionaram a buscar aquilo que acredita ser o melhor pra si, seja qual for o custo. Jule será a heroína da sua própria história.

Muitos aceitariam de bom grado a vida da milionária Imogen Sokoloff, só que ela está farta de tudo isso, das cobranças e imposições. Imogen está perdida, tentando de alguma forma encontrar seu verdadeiro eu.

Em meio a essa vida de luxo de Imogen, Jule entra em sua vida. Ambas se tornam inseparáveis e confidentes. Rapidamente e intensamente, elas se tornam melhores amigas.

O que ninguém imaginava era que Imogen fosse tirar a própria vida. 

“Você acha que uma pessoa é tão ruim quanto suas piores ações?”

E. Lockhart desenvolve com exímio seu livro. A proposta de partir do fim e voltar lentamente ao inicio de tudo causa no leitor um envolvimento muito forte, já que o mesmo se sente fisgado e alucinado para descobrir as ações que culminaram em tal conclusão.

Talvez uma parte desse mistério proposto pela autora não seja tão difícil de decifrar, mas acredito que nessa obra a construção de todos os fatos é ainda mais importante. Podemos descobrir o que aconteceu, mas Lockhart nos provoca com seus personagens e seus atos. O fim é importante, mas o meio é tão importante quanto.

Fraude Legítima é um grande quebra-cabeça, nos quais as peças estão espalhadas ao longo de cada capítulo. Embarque nessa aventura e se prepare para a imagem que ela formará no final!

Título: Fraude Legítima Título original: Genuine Fraud Autora: E. Lockhart Tradução: Flávia Souto Maior Editora: Seguinte Páginas: 280 Skoob: ...
07
01
18

   Everything is fine!  A série The Good Place, criada por Michael Schur e com duas temporadas disponíveis no Netflix é o que você procura se quer algo simples e divertido! 

   Depois que Eleonor Shellstrop  (Kristen Bell) é morta de uma maneira bem bizarra, ela acorda no “Lugar Bom” e descobre que entrou na vida após a morte.  Michael (Ted Danson) é o arquiteto e conselheiro da vila em que ela se encontra e a informa que Eleonor conquistou aquele lugar  por causa de diversas boas ações que fez quando ainda era viva, incluindo greves de fomes em protestos e  ajudar pessoas inocentes a saírem do corredor da morte. O problema: ela nunca fez nada daquilo.

  Por conta desse erro, sua mera estadia no “Lugar Bom” causa alterações na vila inteira e impacta todos os outros moradores. Eleonor fica presa nesse mundo onde não é possível falar palavrões (what the fork), só há pessoas boas, cada um tem uma “alma gêmea” e você pode ter tudo o que sempre quis com a ajuda de Janet (D’Arcy Carden) , um ser que possui o conhecimento de todo o Universo.  Só resta duas alternativas a ela: tentar merecer ficar nesse lugar, ou admitir e ir para “o Lugar Ruim”. O que você faria?

   No decorrer da série, Eleonor entra em diversas situações cômicas ao tentar ser boa através da ajuda de seus novos amigos no Lugar Bom. Cada episódio tem uma curta duração de apenas 22 minutos, o que torna bem gostoso de assistir e muito rápido! A série é muito bem elaborada e tem um dos melhores plot twits EVEEEEER! Se você assistir até o último episódio da primeira temporada, pode ter certeza que você não vai mais conseguir dar um “pause” e vai devorar toda a segunda temporada no mesmo dia. Te juro, você nunca vai imaginar o que acontece!!!!!

   Além disso, só de ter a Kristen Bell no elenco já é um belo motivo para assistir, ela torna Eleonor uma personagem inesquecível. É tudo muito bem elaborado na série, com piadas interessantes e nos momentos certos, flashbacks extremamente engraçados de quando Eleonor fazia coisas “ruins” na Terra e também muito aprendizado sobre moral e ética, com debates filosóficos que provoca quem está assistindo. A primeira temporada pode até parecer meio boring para você, mas fique tranquilo, você vai compreender o motivo assim que chegar no último episódio da primeira! Não desista! 

   E pra quem quer treinar o inglês, é bem tranquilo pra assistir sem legenda! #fikdica(: 

   The Good Place foi de uma daquelas procuras inesgotáveis por algo bom no Netflix, pra uma das minhas séries preferidas! Vale super a pena 😀

   E pra terminar: I’m going to the gym! (assistam a segunda temporada que vocês pegarão a referência). 

   Everything is fine!  A série The Good Place, criada por Michael Schur e com duas temporadas disponíveis ...
02
01
18
Título: Um Beijo À Meia-Noite
Título Original: A Kiss At Midnight
Autor(a): Eloisa James
Tradutor(a): Livia Almeida
Editora: Arqueiro
Ano: 2017
Páginas: 317
Perfil no Skoob: aqui
Gênero: Romance de Época, ficção.

” – Eu não sou sua Kate – declarou ela – Esta é a parte estranha – disse ele, voltando a deitar-se de costas, cobrindo olhos com o braço. Você é sim.” Gabriel Augustus-Frederick – O Príncipe.

Vamos pelo começo: Leram a resenha do 1º livro

Agora, recapitulando:

A EDITORA ARQUEIRO iniciou as publicações de ELOISA JAMES no Brasil com o romance de época “Quando a Bela Domou a Fera”, que na verdade é o 2º livro da série “Contos de Fada”:  

Os cinco livros:

Livro 1. Um Beijo À Meia Noite.

Livro 2. Quando A Bela Domou A Fera.

Livro 3. O Duque É Meu.

Livro 4. A Duquesa Feia.

Livro 5. Era Uma Vez Uma Torre. 

Mas, hoje, vamos falar do 1º livro desta série: UM BEIJO À MEIA-NOITE.

KATHERINE DALTRY está mais agitada e nervosa do que o normal, pois desta vez sua madrasta Mariana passou dos limites. O pai de Kate casou-se apenas duas semanas após a morte de sua mãe, e sua Madrasta mudou-se imediatamente com a filha Victoria para a residência da família. Pouquíssimo tempo depois, o pai de Kate também faleceu, e desde então, ela vive no sótão da casa onde um dia foi dona.

A Madrasta mantêm Kate como uma espécie de faz tudo, desde a administração e contabilidade dos negócios até o trabalho mais pesado com os animais. Kate acaba por se submeter aos maus tratos de Mariana para manter o emprego dos empregados mais antigos que ainda permaneceram na residência após a morte de seu pai. (mais…)

Título: Um Beijo À Meia-Noite Título Original: A Kiss At Midnight Autor(a): Eloisa James Tradutor(a): Livia Almeida Editora: Arqueiro Ano: 2017 Páginas: ...
31
12
17

O ano está acabando e esse é aquele momento em que paramos para analisar tudo o que vivemos nos últimos meses. Lembramos de todas as alegrias, surpresas, tristezas e, por que não, as leituras? Hoje, cada um de nós da equipe do Nunca Desnorteados, escolhemos nossas melhores leituras de 2017 e viemos aqui fazer uma listinha de recomendações para, quem sabe, ajudar a incrementar sua lista de leituras para o próximo ano.

Obs: a lista não é, necessariamente, de livros lançados em 2017, mas sim aqueles que tivemos a oportunidade de ler esse ano.

Ale

A minha melhor leitura deste ano foi uma surpresa. Sim, eu sei que para uma fã de Romances de Época, não conhecer o trabalho de Sarah MacLean é uma falha e tanto, mas essa é uma das várias boas razões em se especializar em um gênero literário, precisar conhecer todas as escritoras que se destacam no mesmo. ‘Onze Leis a Cumprir na Hora de Seduzir’ é o último título da trilogia Os Números do Amor, e quando este chegou as minhas mãos decidir ler a trilogia de uma só vez. 

Foram duas semana do mais absoluto deleite! Sarah é uma escrita revigorante, empolgante e viciante. Três histórias  muito interessantes com diálogos inteligentes, elaborados e engraçadíssimos. Nunca achei que o faria, mas Mrs. MacLean me fez abrir um novo posto entre minhas “top 5″ escritoras de Romance de Época, coisa que eu não achei que fosse possível.  

É, eu sei que vocês devem estar dizendo: “Ah, Ale, você é tão previsível mencionando Julia Quinn nos melhores do ano!”, mas eu me apaixonei demais por ‘Como Se Casar Com Um Marquês’ e a história é realmente muito boa. E sou sincera em dizer, não estendo os mesmos predicados ao primeiro livro da duologia Agentes da Coroa, Como Agarrar Uma Herdeira. 

Lizzie e James é aquele casal que você ficaria mais de trezentas páginas – se necessário – correndo para cima e para baixo até que tudo fique bem, sabe? Também teve todo aquele saudosismo de passar mais algumas páginas em companhia de Lady Danbury e de todo o ar Bridgerton que vem com ela. Ah, sou dessas, o que eu posso fazer?  

Eu já estava quase encerrado o assunto quando pensei: não posso deixar Eloisa James fora desse grupo. Os dois primeiro livros da série “Contos de Fadas” são simplementeirretocáveis e precisam estar aqui. QUANDO A BELA DOMOU A FERA e UM BEIJO À MEIA NOITE são duas aulas de História da Arte e como escrever bem. Linnet e Piers – Kate e Gabriel vão fazer você sonhar rir e se apaixonar loucamente.  

Bia

2017 foi um ano que me exigiu muito da faculdade, e por isso acabei lendo muito livros e textos da biblioteca de Serviço Social, os quais eu não indicarei aqui porque não quero que vocês fiquem com depressão. Porém, esse ano eu me dei dois presentes que eu cobiçava desde pequena: Finalmente, pude comprar o meu tão sonhado box de Desventuras em Séries e todos os mangás de Tsubasa Chronicle Reservoir. Foram duas releituras que impactaram bastante no meu ano e são elas quem indico! 

Sobre Desventuras, reli todos os livros, estudei minuciosamente cada um e consegui chegar algumas conclusões de mistérios que sempre me atormentaram. Leiam! E se vocês puderem, releiam! Muitas coisas vão fazer sentido e dá uma nostalgia tão boa quando você assiste a série depois <3 E sobre Tsubasa, ai que dor no coração. É o meu mangá favorito e foi meu amor por Sakura Card Captor que me levou a assistir o anime e ler o mangá. Não prometo momentos felizes, mas garanto fortes emoções e bastante nós na cabeça. Eu sou mega fã de diferentes linhas do tempo, mundos paralelos, e mistérios tudo junto. Quem curte Sakura, tem que ler né! 

Gustavo

Espero que não tenha sido só de mim que 2017 judiou na questão ressaca literária, nesse ano eu me decepcionei comigo mesmo e joguei minha resolução 2016/2017 de ano novo relacionada a leitura no lixo. Mas é o que dizem né.. fazer o que, partiu colocar na listinha 2018 e tentar fazer direito no ano novo. 

Vou dizer que o problema não foi falta de livros maravilhosos que apareceram na minha vida. Até o Fim do Mundo é um livro que eu sempre namorei em feiras de livros, sites, skoob, livrarias e finalmente nesse ano pus minhas mãos nele. Ele é narrado por 4 personagens, Peter, Eliza, Anita e Andy, que estão sobrevivendo ao colégio, uns mais que os outros, cada um com seus problemas e escolhas para o futuro, mas uma “estrela” azul surge no céu e então mais um problema é adicionado na lista desses jovens: um asteroide prestes a se chocar com a Terra com o potencial de acabar com a vida do planeta. A escrita é divertida, é um YA, os personagens são interessantes e os capítulos são ideais para aquela jornada no transporte público. É um livro que ainda estou para tomar vergonha na cara para acabar, mas com certeza merece ser indicado para aqueles que gostam de um drama adolescente <3

Lucas 

2017 foi um ano de ótimas leituras para mim e poucas foram as decepções que eu tive, sendo a maior dela comigo mesmo, por ter criado uma meta com mais livros do que eu conseguiria ler, mas isso não vem ao caso. Minha primeira indicação é um livro que até já tem resenha aqui no blog: Novembro, 9! Eu há muito tempo já desejava ler os livros da Colleen Hoover e essa foi minha primeira experiência com a autora. Primeira e melhor experiência até agora. Esse livro me prendeu de uma forma surpreendente, me deixou boquiaberto com suas reviravoltas e me ensinou que, quando se trata de Colleen Hoover, eu não devo esperar coisas poucas e previsíveis. 

Já minha segunda indicação é uma surpresa até mesmo para mim. Desde que me tornei um leitor compulsivo, isso lá na minha pré-adolescência, eu sempre tive muito preconceito com alguns tipos de gêneros literários, mas felizmente, em algum momento da vida a gente tem que crescer e amadurecer, e preconceito não é algo bom, não importa para o que ele esteja sendo direcionado. Eu sempre torci o nariz para livros de autoajuda, passava o mais longe possível deles quando entrava em uma livraria, mas 2017 me mostrou que eu estava errado. Minha segunda indicação é O ano em que disse sim, da poderosíssima Shonda Rhimes. Em seu livro ela nos mostra o quanto sua vida mudou a partir do momento em que ela se permitiu dizer sim para as coisas. Foi uma leitura extremamente leve, engraçada e, acima de tudo, inspiradora, na qual recomendo à todos que, assim como eu, julgavam esse tipo de gênero. 

Thales

Esse foi um ano cheio de leituras, em sua maioria positivas. O que torna ainda mais difícil escolher apenas dois para essa lista. Mas entre tantas opções, não poderia deixar de fora O Dia do Coringa. É complicado explicar o que senti ao ler esse livro, só posso dizer que foi algo mágico. Jostein Gaarder nos brinda com uma narração tão linda e envolvente que é impossível não ficar admirado com tamanha beleza.

2017 foi também o ano das segundas chances. Após a leitura frustrada de Pequenas Grandes Mentiras, acabei criando um certo receio com a Liane Moriarty. Mas aí tivemos a adaptação incrível do livro e a série me conquistou tanto que precisava dar mais uma chance à autora. E meus caros, foi a melhor decisão que tomei. Fui presenteado com duas obras fantásticas. Até Que A Culpa Nos Separe e O Segredo do Meu Marido me deixaram perplexo. Liane desenvolve aos poucos sua história, revelando a cada capítulo pequenas peças que no final formam um quebra-cabeça divino. Poderia passar horas elogiando cada detalhe de ambos os livros, mas leiam e perceberão que não estou exagerando nenhum pouco. 

Thila

Difícil selecionar somente dois livros acima de todos os outros incríveis que li durante este ano, mas já que tenho que escolher, indico ‘As Coisas Que Fazemos Por Amor’ de Kristin Hannah pois ele foi o primeiro que surgiu na minha cabeça quando comecei a lembrar de todas as leituras. Isso significa MUITA coisa, mas, pra resumir, a história conseguiu ‘me desgraçar’ completamente. A explicação completa e cheia de dramas – de minha parte, é claro – você pode conferir aqui.

O segundo, e não menos importante, é o Return to Mandalay de Rosanna Ley, poréeeeem, pra ser completamente honesta com você, eu ainda não terminei o livro porque EU NÃO CONSIGO! *MOMENTO DRAMA*, hahaha… Falta pouco para finalizar a leitura, mas a história é tão sensacional que eu não quero que ela acabe. O final pode me decepcionar ou estragar tudo? A possibilidade sempre existe, contudo estou tentando prolongar o máximo que consigo esta história. Não faço a mínima ideia de quanto tempo vai durar, mas sei que todo esse ‘prolongamento’ está durante três meses.

Se você ficou decepcionado com a minha segunda escolha – “olha ela, toda louca indicando um livro que nem terminou de ler!” – ou estiver com um espacinho a mais para complementar sua lista, anote aí: QUALQUER livro de Chris Melo e Lucinda Riley. Não tem erro!

O ano está acabando e esse é aquele momento em que paramos para analisar tudo o que vivemos ...
28
12
17
Título: Tipos incomuns (Algumas histórias)
Título original: Uncommon type: Some stories
Autor: Tom Hanks
Tradução: Rachel Agavino
Gênero: Contos
Editora: Arqueiro
Páginas: 352
Ano: 2017
Skoob: Aqui

 

“- Uma máquina de escrever é uma ferramenta. Nas mãos certas, pode mudar o mundo.”

Atores são ótimos contadores de histórias, conseguem dar vida à personagens de forma a sempre nos convencer de que são pessoas diferentes. Mas e quando eles resolvem criar próprias histórias? Tom Hanks é um ator super talentoso e premiado, mas agora, resolveu atacar também de escritor, e seu primeiro livro acabou de ser lançado aqui no Brasil pela Editora Arqueiro.

Em Tipos Incomuns (Algumas Histórias), Tom Hanks nos apresenta uma série de personagens distintos e, diferente do título, todos são extremamente comuns. Mas não, isso não é um ponto negativo ou crítica. São raros os casos em que um autor consegue contar a história de um protagonista comum e ainda assim prender a atenção do leitor. Geralmente nós queremos conhecer a história de personagens extraordinários, em que coisas absurdas acontecem, que nos chocam, mas com esse livro Tom quis fazer o exato oposto, e nos presenteou com o cotidiano de pessoas “normais”.

“- Quero que os filhos que eu vier a conceber um dia leiam as reflexões do meu coração. Eu as terei pessoalmente gravado nas fibras das páginas, uma a uma, verdadeiros fluxos de consciência que vou guardar em uma caixa de sapatos até que meus filhos tenham idade suficiente para ler e refletir sobre a condição humana! – Ela se ouviu gritando: – Eles vão passar as páginas de um para o outro e dizer: “Então era isso que mamãe estava fazendo com todo aquele barulho e toda aquela datilografia”. (…)”

Com 17 contos muito bem escritos, Tom Hanks nos prova que seu dom vai muito além da interpretação. Com diálogos fortes e cenas tocantes, ele nos faz sentir um misto de emoções, além da ligação estabelecida entre leitor e personagem, em vários momentos eu me senti como um item da cena, uma mobília ou figurante, que estava ali apenas observando tudo o que acontecia. E esse “observar” é até algo que eu gostaria de destacar.

Geralmente, enquanto estou lendo um livro, eu me pego pensando sobre tudo aquilo que está acontecendo, tento descobrir o que vai acontecer, bolando teorias e coisas assim. Dessa vez eu só fiquei ali presenciando tudo.  Não é necessário fazer esforço, não é necessário pensar, a cena só acontece… e pronto!

Os contos são independentes, acontecem em épocas e locais diferentes, e a única ligação é que, em todos eles, existe a presença de uma máquina de escrever. Máquina essa que está na capa do livro e no início de cada conto.

“- Você teria um aparelho de som e nunca ouviria música? Máquinas de escrever devem ser usadas. Como um barco deve navegar, um avião deve voar. Qual a utilidade de um piano que você nunca toca? Junta poeira e não há música na sua vida. (…) – Deixe a máquina de escrever do lado de fora, em uma mesa onde você a veja. Mantenha uma pilha de papel pronta. Compre envelopes e seus próprios artigos de papelaria. Eu lhe darei uma capa para protegê-la da poeira, de graça, mas tire-a quando estiver em casa para que a máquina esteja pronta para ser usada.”

Tipos Incomuns (Algumas Histórias) foi uma experiência nova e uma oportunidade de conhecer outro lado desse ator/autor que tanto admiramos.

Título: Tipos incomuns (Algumas histórias) Título original: Uncommon type: Some stories Autor: Tom Hanks Tradução: Rachel Agavino Gênero: ...
20
12
17

O mês de dezembro tem mexido um pouco comigo. Eu que nunca fiz o tipo “viciado em festas de fim de ano”, dessa vez me surpreendi com esse meu interesse e estou cada vez mais conectado com histórias que se passam nessa época.

Recentemente eu assisti ao novo filme original da Netflix, Cartão de Natal (Christmas Inheritance), lançado mundialmente no dia 15/12 e, já que não vi ninguém falando dele até agora, resolvi vir até aqui contar um pouco sobre, porque sim, eu quero contagiar todo mundo com esse meu recém descoberto espírito natalino.

O longa conta a história de Ellen Langford (Eliza Taylor), uma party girl que está quase destruindo a reputação da empresa de seu pai, por estar sempre envolvida em situações vergonhosas na mídia. A fim de fazer com que sua filha seja mais responsável para no futuro herdar a empresa, Jim Langford (Neil Crone) pede para que Ellen vá até a cidadezinha Snow Falls (bem clichê, né?!) cumprir uma de suas tradições natalinas, e entregar para seu tio uma caixa contendo diversas cartas que são escritas anualmente, desde antes de seu nascimento.

Em Snow Falls, Ellen encontrará uma realidade completamente diferente da sua e isso poderá mudar a forma como ela enxerga a vida, além de conhecer alguém que fará seu coração balançar. Aliás, eu falei que ela é noiva? Bom, é aí que as confusões começam, hahaha! 

O filme foi dirigido por Ernie Barbarash e o elenco conta, além de Eliza Taylor e Neil Crone, com Jake Lacy, Andie MacDowell, Michael Xavier, Anthony Sherwood, entre outros. 

Cartão de Natal é uma comédia romântica digna de Sessão da Tarde, mas isso não quer dizer que seja ruim, pelo contrário, eu achei muito divertido e, mesmo sendo previsível em alguns pontos, o filme cumpriu seu papel ao me fazer mergulhar numa nostalgia que há muito tempo eu não sentia. Vale a pena conferir!

O mês de dezembro tem mexido um pouco comigo. Eu que nunca fiz o tipo “viciado em festas ...
leia em modo simples e completo
Acompanhe o Nunca Desnorteados nas Redes Sociais

Instagram

Navegue pelo os 3 Mais Vistos
Título: Sonhos de Avalon – A Última Profecia Autora: Bianca Briones Gênero: ...
Título: A Coroa da Vingança Título Original: Reunited Autora: Colleen Houck Tradução: ...
Título: A Irmã da Pérola Título Original: The Pearl Sister Autora: Lucinda Riley ...
NUNCA DESNORTEADOS • TODOS OS DIREITOS RESERVADOS 2017 • visitantes online • DESIGN BY: Print Creative